Pages

Subscribe:

Ads 468x60px

Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Fórum potencializa turismo na RM Vale



O Fórum Técnico Empresarial do Codivap Turismo olhou para seus circuitos turísticos com olhar promissor em relação a colocá-los como roteiro para a Copa do Mundo.



Palestrantes: Wanilson Fickert, Bruno Omori, Maria Carolina Cunha e Zélia Chagas

 “Os Desafios da Região Metropolitana frente aos Circuitos Turísticos e a Copa do Mundo”  foi o tema do 2º Fórum Técnico Empresarial do CODIVAP Turismo, que ontem (10) das 14h às 16h, no Parque Tecnológico de São José dos Campos, promovido pelo Codivap Turismo.


Continue lendo no Portal RM Vale.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Circuitos turísticos da RM Vale e Copa do Mundo em discussão






No próximo dia 10 de maio às 14 horas vai acontecer o 2º Fórum Técnico Empresarial do Codivap Turismo, no Parque Tecnológico de São José dos Campos. O evento tem por tema “Os desafios da Região Metropolitana frente aos desafios dos Circuitos Turísticos e a Copa do Mundo”.


Continue lendo no Portal RM Vale.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento da RMVale e Litoral Norte empossa prefeito de São José dos Campos como presidente


Encontro que marcou o início dos trabalhos do colegiado que aplicará as políticas públicas na Região Metropolitana, contou com a presença de 38 prefeitos, um suplente e dez representantes de secretarias de Estado.
Reunião do Conselho da Região Metropolitana do Vale do Paraiba e Litoral Norte - Parque Tecnológico de São José dos Campos

O secretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido, esteve na manhã de hoje, 23 de abril, em São José dos Campos, na primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Os assuntos abordados foram: Eleição do presidente e vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento; Apreciação do regimento interno provisório do Conselho de Desenvolvimento; Apresentação dos resultados dos Workshops “Construindo a Governança Metropolitana” realizados nas cinco sub-regiões; Aprovação da criação das Câmaras Temática relacionadas aos campos funcionais previstos no artigo 12 da Lei Complementar 1166/2012 – que cria o Conselho de Desenvolvimento.


Leia mais no Portal RM Vale.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Parabéns, Canas!

Parabéns, Canas, pelo seus 19 anos em 22 de março!

Foto: Prefeitura de Canas
Vista área de Canas
Canas – seu nome é devido à desapropriação de uma fazenda na região de Lorena chamada “Fazenda das Canas” para acolher os imigrantes que vinham trabalhar com canas.
Localiza-se entre os municípios de Lorena e Cachoeira Paulista, na Região do Alto do Vale do Paraíba, às margens do Rio Paraíba do Sul e entre as Serras do Quebra Cangalha (do Mar) e da Mantiqueira.
Canas
Com uma área de 51 Km², Canas tem em suas terras as águas do Ribeirão Caninhas, Ribeirão Canas e Córrego do Tijuco Preto.

Foto: Prefeitura de Canas
Vista aerea de Canas
CanasRM Vale: subregião de CruzeiroAniversário: 22/03/1993Padoreira: Nossa Senhora Auxiliadora (24/05)Idade: 19 anos (em 2012)

Foto: Prefeitura de Canas
Vista da cidade de Canas
Sua economia atual está pauta na rizicultura (plantio de arroz), horticultura, pecuária (gado leiteiro), indústria (cerâmica, pré-moldados plásticos e minério).
Canas
A propriedade fora de Alferes Francisco Ferreira dos Reios foi desapropriada para proporcionar o assentamento das famílias dos imigrantes italianos, em 1887, que vieram para plantar cana e abastecer o Engenho Central de Lorena.
Além dos italianos também haviam portugueses.
Esses imigrantes receberam propriedades territoriais para exploração agrícola juntamente com um contrato de 400 mil réis e um prazo de quatro anos para resgatar a dívida.
Para a própria subsistência plantavam arroz, feijão, batata e verduras.
Como o local era de mata fechada que precisa desbravar, por isso muitos imigrantes retornaram para a Itália.
Com a falência do Engenho Central de Lorena, os colonos foram obrigados a plantar diversos tipos de alimentos.
Vendiam arroz socado no pilão.
Trouxeram hábitos alimentares da Itália, tais como: macarrão, pão feito em casa, vinho e hatugue (bolinho de trigo feito com ovo).
Foto: Prefeitura de Canas
Festa Italiana de 2010 em Canas

Os italianos faziam festa em homenagem a Santo Antônio de três em três meses. Após a missa das oitos horas, serviam café, pão com manteiga para todos os fiéis. A tradição continua até hoje na Igreja de Caninhas. Em 1904, construíram a Igreja de Caninhas sendo o padroeiro Santo Antônio.


Canas

Canas
Mais tarde construíram outra igreja no centro de Canas e a padroeira passou a ser Nossa Senhora Auxiliadora. A festa é comemorada no último Domingo do mês de maio.
Canas passou de Núcleo Colonial Agrícola (1890) para bairro, distrito e Município.
Como pertencia ao município de Lorena, a participação política dos moradores só começa a aparecer nos anos 60 quando elege representantes para a Câmara Municipal de Lorena: João Neri Marton (1960); Arthur Domingues Quintas (mandatos: 63/67 e 68/72); Valderez Gomes de Lucena Filho (89/92 e 93/96).
Somente em 1992 é que o PLEBISCITO POPULAR concede o direito de emancipação a Canas. Na ocasião o então representante do distrito na Câmara de Lorena é eleito presidente da Frente Distrital Paulista de Emancipação.
Sua emancipação, contudo só se dá em 1993 (Lei 8.550/1993), elegendo seu primeiro prefeito, em 1996: Rynaldo Zanin, que tomou posse em janeiro de 1997.

Conhecer a Cidade de Canas
Academia ao ar livre

Praça

Canas

Prédio da Prefeitura de Canas


Informações prestadas pela Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Canas.
Fotos: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Canas

Antonia Alves
Editora do Portal RM Vale

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

RM Vale: Novas Regiões, Mais Desenvolvimento


*Flavio Amary
Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte demandará esforços e investimentos em tecnologia, cultura, meio ambiente, sustentabilidade, planejamento do solo e mobilidade urbana


A nova Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, décima criada no País, já é estratégica para o crescimento da macrorregião paulista. Servida pela rodovia Dutra (eixo São Paulo – Rio), envolve 39 municípios que abrigam quase dois milhões de habitantes, áreas em que o mercado imobiliário já encontrou campo fértil faz um bom tempo.

Para facilitar o planejamento e a definição de prioridades conforme a necessidade de cada localidade, a nova Região Metropolitana se divide em cinco sub-regiões paulistas: São José dos Campos, Taubaté, Guaratinguetá, Cruzeiro e Litoral Norte.

Ali, por exemplo, grandes obras deverão interagir entre si, a exemplo do trem-bala, de 511 quilômetros de extensão e que demandará investimento de 33,2 bilhões de reais, da duplicação do trecho de cerca de 50 km da Rodovia dos Tamoios, que liga o Vale do Paraíba ao Litoral Norte e da expansão do Porto de São Sebastião, que deverá ter uma capacidade 30 vezes maior do que a atual.

Além da garantia de desenvolvimento socioeconômico das cidades, haverá fomento a cooperação, descentralização, articulação e integração entre diversos âmbitos do governo. O Poder Público, pautado pelas orientações da Política Nacional do Meio Ambiente e Planejamento Urbano, a sociedade civil organizada e mesmo as entidades representativas da cadeia imobiliária, como o Secovi-SP (Sindicato da Habitação) podem e devem atentar para aspectos que garantam a manutenção da qualidade de vida da população local, frente a profícua expansão e valorização urbana.

A preservação ambiental e cultural de cada município, a condução sustentável das inovações tecnológicas e econômicas inerentes a esse crescimento, até em função do advento do pré-sal, no Litoral Norte, e, principalmente, a reorganização dessas cidades a partir de um planejamento do solo compatível com a infraestrutura necessária à mobilidade urbana, à segurança, ao saneamento público e ao lazer, são alguns exemplos de como se mantém essa qualidade, inclusive com a redução das desigualdades sociais e regionais.

É importante lembrar também que, embora estas sejam cidades interligadas, similares e regidas por um perfil aglutinador, cada qual merece atenção diferenciada, particularmente no que se refere à idealização e implemento de novos projetos inerentes ao setor imobiliário.

A exemplo do que acontece em quase todas as localidades paulistas, o Sindicato está presente e atuante nessa nova seara, por meio de sua unidade regional instalada em São José dos Campos, município sede e foro de autarquia ligada à Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano que será fundamental nesse processo, pois arrecadará receitas, elaborará planos, programas e projetos de interesse comum e estratégico.

*vice-presidente do Interior do Secovi-SP

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Para Prefeita De Campos Do Jordão, Problemas Da RM Vale São Os Mesmos


“Nossos problemas são os mesmos. Somente muda o nome do prefeito e a cidade: o destino do livro, as dificuldades das estradas e da saúde,” desabafou a Prefeita de Campos do Jordão, e anfitriã do evento que sancionou a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RM Vale), em 9/1/2012, pelo governador Geraldo Alckim.
Registrou que nas reuniões mensais do Codivap foi possível perceber que esses problemas são comuns e que precisariam ser resolvidos de maneira inovadora. Por isso, agradeceu a sensibilidade e luta do secretário Edson Aparecido e do Governador para tornar esse processo realidade. “Nada mais que transformar nossa região em região metropolitana para que a mesma possa resolver os nossos problemas. Então, a gente só tem a agradecer,” acrescentou.
Salientou que a diversidade da região, suas belezas naturais sejam no Litoral Norte ou na Serra da Mantiqueira, ou ainda em suas desenvolvidas indústrias.  “Hoje estamos aqui, nesse lindo e maravilhoso evento, para sancionar uma lei que vai proporcionar desenvolvimento a nossa região,” finalizou.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Elogios E Descontração De Maluf Na Sanção Da RM Vale


A participação do Deputado Federal Paulo Maluf na sanção da RM Vale – Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – em Campos do Jordão, em 9 de janeiro de 2012, foi marcada por elogios e descontração. “Podemos dizer que temos um governador com G maiúsculo sob o aspecto de ética e de eficiência administrativa,”elogiou o governador Geraldo Alckim.
Até disse que Alckim “é um verdadeiro sacerdote a serviço dos mais humildes e necessitados”, por isso, pediu para ser incluído no rol de seus amigos. Para o deputado, o governado tem um patrimônio inestimável sob o ponto de vista de amigos e admiradores. O secretário Edson Aparecido, afirmando que “é um homem que está a altura do atual governo paulista,” elogiou.
Arrancou risos da platéia ao comparar sua faculdade de Engenharia na Poli-USP com a de um amigo no ITA, dizendo “que parece que o ITA está suplantando a Poli”. Ou ainda em se colocar como um “animal político em extinção por estar casado com a mesma mulher há 56 anos, morar na mesma casa há 46 anos e estar no mesmo partido há 44 anos”.
Segundo Maluf esses qualitativos lhe dá autoridade para falar dos problemas do País com propriedade. Pois desde que foi presidente da Caixa Econômica Federal, estabelecendo o primeiro plano de habitação do País, em 1967, muita coisa continua desafiadora. Para o deputado uma região metropolitana vem sanar os problemas de um prefeito querer investir no município vizinho – situação proibitiva enquanto jurisdição municipal.